domingo, 25 de setembro de 2011

O CARA DA INTERNET

A maioria da pessoas tem uma fase que gosta de acessar as salas de bate papo e como não sou diferente de ninguém, tive a minha fase...

Era um domingo pela manhã e eu já estava lá conectada, batendo papo com várias pessoas. Mas teve um cara que me chamou a atenção, pois tinha uma conversa sadia, se comparada aos demais que teclavam comigo. Achei ele muito legal.  Depois de algum tempo teclando, trocamos os telefones e conversamos por longo tempo sobre as nossas vidas, nossos objetivos, entre outras coisas...

Bem, depois de umas duas horas de telefone no ouvido, resolvemos marcar para almoçar.  Ele não conhecia bem a minha cidade, então resolvi que passaria próximo a casa dele e lá nos encontraríamos.

Eu estava ansiosa, pois apesar das brincadeiras nas salas de bate papo, queria realmente encontrar uma pessoa legal para namorar, afinal já tinha conhecido várias pessoas e estava num momento de querer de fato me fixar a alguém de forma mais séria.

Antes da hora marcada, me arrumei com um vestido estampada e longo, penteei meus cabelos rebeldes, passei um perfume bom, porém suave, peguei meu carro e fui ao encontro do cara da internet, que me disse que o nome dele era Jota.

Pela internet, ele já tinha me enviado uma foto, então eu tinha uma idéia de como ele era, só que na foto,ele estava de boné e a imagem parecia longe, então não dava para ver direito o rosto dele.

Bom, na hora marcada já estava eu lá, pois o endereço dele era muito fácil. Esperei uns cinco minutos e lá vem aquele homem baixo, magro e mal vestido. Quando olhei para o rosto, tomei um susto, pois não imaginava que ele fosse tão feio.  Era um homem que passando na rua eu jamais olharia. Mas, se marquei, agora tinha que conhecer a pessoa, não ia inventar uma desculpa e ir embora, afinal seria uma falta de respeito com uma pessoa que tinha sido tão bacana comigo, enquanto teclamos e conversamos pelo telefone.

Assim, nos cumprimentamos e rumamos para uma praia nas proximidades, onde parei o carro, descemos e nos dirigindo a um kiosque.  Ele já me falara umas três vezes que gostara de mim, mas eu não tinha coragem de dizer a mesma coisa. Ao mesmo tempo, estava morrendo de medo que alguma pessoa conhecida me visse com aquele homem feio.

Tudo bem, sentamos e começamos a conversar, ele me parecia sensível e sincero a me falar de sua vida e de seus gostos, eu também falava de mim e ali ficamos umas seis horas conversando e confesso, que com o passar do tempo eu já olhava pra ele diferente, já não o achava feio...

Quando já era noite, entramos no carro e fui levá-lo até seu prédio, ao chegarmos, ele me perguntou se eu por acaso não queria subir para vê-lo tocar teclado. Como já parecia que eu o conhecia há anos, resolvi subir e ele me tratou com tanto respeito, que eu já estava doida pra ele perder o respeito, pois apesar dele não ter um tipo que fosse o meu, as outras qualidades me faziam sentir atraída por ele, já que dou muita importância aos valores que as pessoas carregam.

Ficamos ali, ele tocou teclado, me deixou a vontade em sua casa e então, sentada no sofá trocamos o primeiro beijo,que se encaixou direitinho e eu cheguei a me excitar com aquele encontro de línguas quentes, naquela troca de saliva longa e exploradora.

Enquanto me beijava, suas mãos iam deslizando pelo meu corpo de forma suave e respeitosa, impaciente, peguei minhas mãos e fui direto em direção ao seu pau que por cima da calça jeans, já podia se mostrar duro e grosso. Fiquei ali a amassar aquele monte de músculos duro e dessa forma, dei aval para que ele também fosse mais ousado com as minhas partes, que já estavam cheias de tesão.  Ele então enfiou uma das mãos por debaixo do meu vestido e por cima da calcinha acariciava a minha boceta latejante de vontade de meter, depois foi colocando um dos dedos pela lateral da calcinha e alcançou meu grelo, que logo após pouco movimento de fricção, me levou ao orgasmo.  Meu cú chegava a se contrair de tanto tesão.  Era um sofá de três lugares, me virei de costa, apoiei as duas mãos no apoio traseiro do sofá e me coloquei de joelhos no sofá, com a bunda virada em sua direção. Ele se ajeitou  e já nú,  introduziu o pênis em minha vagina, se movimentando de forma frenética, enquanto puxava meus cabelos de forma quase agressiva, e eu me mexia buscando ainda mais prazer.  Ficamos ali, bastante tempo, finalmente, ele sentou no sofá e eu subi em seu caralho duro e dancei nos meus movimentos de subidas e descidas, até que percebi ele começar a gemer, me mostrando que estava gozando, o que me levou a me movimentar com ainda mais vigor e então gozamos juntos e gostosamente.

Quando terminamos, olhamos um para o outro  e nos beijamos outra vez, parece que pedindo que aquilo durasse para sempre, por isso acabei dormindo lá e ficamos juntos por mais uns dois anos, até que ele teve que mudar de cidade e eu não pude acompanhá-lo. Confesso que foi uma pena. Ainda nos vimos algumas vezes, mas a distância acabou nos separando para sempre. Hoje conheci outra pessoa e vivo feliz, mas ainda me lembro do cara da internet.



Ainda me lembro do vai e vem no sofá, com o cara da internet...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente......